Topo da Página
Portal de Acessibilidade do RS
Governo do Estado do RS - SDSTJDH
Início do conteúdo

Você está em: Página Principal » Serviços » Saúde

Às vezes quem ajoelha não reza; sente dor!

                                                                        Sonia B. Hoffmann*

Foi tentar levantar e deu aquela fisgadinha no joelho? Caminhou dois passos e travou tudo, ficando sem graça e sem entender nada? Naquela festa badalada, passou a noite sentada com o vestido cobrindo o inchaço brilhoso dos joelhos, de cara azeda e amarrada?

Pois é... acho que está na hora de dar um afago nos seus amigos joelhos e fazer uma visitinha ao médico, ao fisioterapeuta, ao professor de educação física, ao profissional da área do movimento humano e, talvez, até a um psicólogo. O que... psicólogo? Sim, parece meio estranho, não é, mas as emoções e os sentimentos também podem refletir prejuízos bastante importantes para estas articulações, embora elas sejam "toda poderosas" por serem as maiores do corpo humano e sustentarem uma grande carga nos membros inferiores.

Mas todos e tudo muito poderosos também têm o seu ponto frágil, o seu tendão de Aquiles... e o dos joelhos é a grande vulnerabilidade da exposição. Isto é, estas articulações estão localizadas muito superficialmente e têm poucas estruturas que a protegem. Se elas estiverem enfraquecidas, traumatizadas ou danificadas, certamente ouviremos uiuiuis e aiaiais frequentemente.

Que tal alguns lembretes para a prevenção de danos em seus joelhos?

1. Elimine os quilinhos a mais, reduzindo a sobrecarga nos joelhos;

2. Evite batidas, pancadas, contusões e quaisquer outros micro ou macrotraumatismos nos joelhos, mesmo que seja necessário trocar de lugar aquele móvel que parece nunca desviar de você. Outra medida é acolchoar pontas da cama, de armários, de mesinhas;

3. Use protetores como joelheiras ou travesseiros/almofadas de densidade média quando realizar atividades mais prolongadas - sejam tarefas esportivas, domésticas, profissionais. Isto ajuda a redução de sobrecarga e microtraumatismos.

4. Seja prudente na escolha do calçado para o dia-a-dia. Procure aqueles com solado macio, para absorção de parte do impacto, e um salto pequeno para a manutenção da estabilidade da articulação do tornozelo e do joelho. Para a prática de atividades esportivas use tênis que atenda à comodidade dos pés e às exigências específicas desta atividade;

5. Pratique esportes ou exercícios orientados por profissional da área do movimento humano, fazendo alongamentos antes e depois da atividade física, fortalecendo não apenas a musculatura, os ligamentos e os tendões que estabilizam diretamente o joelho, mas inclusive a coluna vertebral, o quadril e o tornozelo;

6. Respeite os limites do seu corpo e não avance o sinal de alerta que odesconforto e a dor indicam.

Lembre-se de que, com o avanço da idade e a falta de cuidados, as estruturas do joelho ficam mais vulneráveis a lesões, entorses ou alterações degenerativas ou desgastes. Sentiu dor no joelho, ele inchou, vacilou, deixou você na mão... marque e vá na consulta com o médico ortopedista.

* Fisioterapeuta CREFITO 6159 F
Doutora em Ciências do Desporto e Educação Física

Página anterior | - | Voltar para o topo da página





Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grande do Sul FADERS
Rua Duque de Caxias, 418 - Bairro Centro - Porto Alegre/RS - CEP: 90.010-280
Telefone/Fax: (51) 3287-6500 - faders@faders.rs.gov.br
Horário de atendimento: De segunda à sexta-feira das 8h ás 12h e das 13h30 ás 17h30
Todos os direitos reservados.