Topo da Página
Portal de Acessibilidade do RS
Governo do Estado do RS - SDSTJDH
Início do conteúdo

Você está em: Página Principal » Serviços » Órtese e Prótese »Órteses e Próteses

Competências e Atribuições dos Profissionais da Equipe

Médico:
1) Avaliação inicial.
2) Solicitar exames complementares para definir diagnóstico.
3) Registrar em prontuário a urgência e a prioridade do atendimento aos usuários.
4) Supervisionar o programa prescrito, mediante a observação, para verificação da evolução do tratamento e anotações adequadas nos prontuários.
5) Tomar as medidas complementares que cada caso exige no programa médico, adequando-se às necessidades do cliente e aos objetivos a alcançar.
6) Realizar, nas datas devidamente marcadas, as avaliações do usuário e proceder os ajustes necessários no programa.
7) Solicitar pereceres de consultores especialistas.
8) Recomendar o desligamento(alta médica), se necessário ou propor a permanência do usuário no programa, sempre em comum acordo com a equipe.
9) Encaminhar ao serviço social sempre que necessário.
10) Atuar junto ao serviço Social, como recurso da equipe multiprofissional nos problemas do campo médico, relacionados com a atividade profissional do reabilitado no seu emprego, após cumprido o programa.
11) Participar das reuniões da equipe multiprofissional.
12) Definir com a equipe multiprofissional o Programa de Reabilitação de cada caso.
13) Preeencher o Laudo Médico para emissão de APAC de Reabilitação Física .
14) Mediante a definição da equipe multiprofissional, preencher o Laudo Médico para emissão de APAC de Concessão de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção.


Assistente Social:
1) Fazer estudo sócio-econômico do paciente, com o objetivo de propor medidas e benefícios que venham ao encontro de suas necessidades.
2) Acompanhar o paciente cuja problemática social necessite de orientação e intervenção do serviço social.
3) Orientar o paciente sobre todos os procedimentos do Programa de Reabilitação, incluindo as etapas para concessão de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção, orientando o paciente quanto a conservação, cuidados e troca do aparelho.
4) Informar e encaminhar o paciente e seus familiares aos recursos da comunidade, bem como programas sociais existentes.
5) Contatar instituições/entidades, objetivando maiores esclarecimentos ao paciente sobre os serviços disponíveis, bem como facilitar o acesso do mesmo.
6) Fazer visita domiciliar.
7) Interpretar junto ao paciente e seus familiares as normas da Instituição e rotinas de tratamento, assim como seu engajamneto no tratamento.
8) Orientar os pacientes sobre questões previdenciárias, judiciais e outros(benefício da prestação continuada)
9) Orientar juntamente com a equipe, os pacientes protetizados e ortetizados, do ponto de vista de sua reabiliotação e inserção social.
10) Participar das reuniões de equipe.
11) Articular ações da Comissão Técnica com as equipe da Estratégia da Sapude da Família.


Fisioterapeuta:
1) Avaliação fisioterápica.
2) Supervisionar e orientar os profissionais de nível médio.
3) Participar das reuniões da equipe.
4) Regiostrar no prontuário as avaliações, reavaliações e observações de ordem fisiterápica.
5) Oferecer sugestões visando melhoria do serviço e agilidade no atendimento.
6) Mediante parecer diagnóstico, buscar informações complementares que julgar conveniente, avaliar e decidir quanto a necessidade de submeter o paciente à fisioterapia, mesmo quando o tratamento é solicitado por outro profissional.
7) Propor alta, em concenso com a equipe, nos serviços de fisioterfapia, utilizando o critério de reavaliações sucessivas que demonstrem não haver alterações que indiquem necessidade da comunidade destas práticas terapêuticas, posteriormente referendadas em reunião de equipe.
8) Reavaliar sistematicamente o paciente, para fins de reajustes ou alterações das condutas terapêuticas próprias empregadas, adequando-as a evolução dinâmica da metodologia adotada. É de sua competência a busca de todas as informações que julgar necessárias no acompanhamento evolutivo do tratamento do paciente sob sua responsabilidade, recorrendo a outros profissionais da equipe de saúde, através da solicitação de laudos técnicos especializados com os resultados dos exames complementares, a eles inerentes.
9) Participar da Comissão Técnica para concessão de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção do serviço a que pertence.
10) Definir com a equipe multiprofissional o Programa de Reabilitação de cada caso.


Terapeuta Ocupacional:
1) Elaborarao diagnóstico terapêutico ocupacional, compreeendido como avaliação cinética ocupacional, sendo esta um processo pelo qual, através de metodologias e técnicas terapêuticas ocupacionais, são analisadas e seatudadas as alterações sócio-físico-ocupacionais objetivando uma intervenção terapêutica específica.
2) Prescrever baseado no constatado na avaliação cinética ocupacional as condutas próprias da terapi ocupacional, qualificando-as e quantificado-as.
3) Ordenar todo o processo terapêuticoo, fazer sua indução no cliente em nívelindividual e ou de grupo.
4) Registrar em prontuário avaliação inicial, evolução e alta.
5) Participar das reuniões de equipe.
6) Planejamento, confeccção, adaptação e treinamento de órteses para membros superiores necessárias ao desempenho funcional do paciente.
7) Confeccionar órteses e adaptações de sua competência devidamente previsto no Programa de Reabilitação.
8) Propor alta, em consenso com a equipe, no atendimento de terapia ocupacional, utilizando o critério de reavaliações sucessivas que demonstrem não haver alterações que indiquem necessidade da continuidade desta prática terapêutica, posteriormenet referendada em reunião de equipe.
9) Participar da Comissão Técnica para concessão de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção do serviço a que pertence.
10) Definir com a equipe multiprofissional o Programa de Reabilitação de cada caso.


Psicológico:
1) Avaliar e interpretar para a equipe multiprofissional as condições emocionais do paciente.
2) Reunir informações das condições emocionais referentes ao paciente e participar com a equipe multiprofissional na elaboração do Programa de Reabilitação, de acordo com as particularidades do casp.
3) Atuar no acompanhamento e na orientação rdos pacientes que apresentem demanda psicológica no processo reabilitacional, que apresentem acondições psicológicas mais favoráveis a sua reabilitação e/ou trabalho com a conveniência da patologia.
4) Orientar a família para que adquira uma percepção realista do paciente, suas potencialidades e limitações, visando eliminar atitude de rejeição ou super proteção.
5) Participar das reuniões de equipe, inteirando-se da atuação dos demais profissionais e informando-os dos aspectos psicológicos mais significativos dos casos, sua evolução e condições gerais.
6) Registrar nos prontuários os dados que forem essenciais para a ra elucidação dos aspectos psicológicos do paciente durante o processo reabilitatório, respeitados os princípios de ética profissionalç.
7) Em caso de paciente necessitar de um acompanhamento mais prolongado, poderá ser encaminhado para locais que prestem serviço de psicologia na rede de atendimento do SUS.
8) Orientar quando necessário, os profissionais do território onde reside o paciente.
9) Propor alta, em consenso com a equipe, no atendimento de psicologia, utilizando o critério de reavaliação sucessivas que demonstrem não haver alterações que indiquem necessidade da continuidade desta prática terapêutica, posteriormente referendada em reunião de equipe.

Profissionais de nível médio ou técnico:
1) Atuar como ajudante dos técnicos em órtese e prótese.
2) Auxiliar o técnico a tirar as medidas.
3) Auxiliar na guarda dos materiais.
4) Executar outras tarefas correlatas junto ao técnico em órtese e prótese.
5) Informar a equipe sobre intercorrências que surgirem no serviçosRealizar o transporte do paciente dentro do serviço.
6) Executar atividades pré determinadas pela equipe de acordo com as necessidades dos pacientes.


Página anterior | - | Voltar para o topo da página





Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grande do Sul FADERS
Rua Duque de Caxias, 418 - Bairro Centro - Porto Alegre/RS - CEP: 90.010-280
Telefone/Fax: (51) 3287-6500 - faders@faders.rs.gov.br
Horário de atendimento: De segunda à sexta-feira das 8h ás 12h e das 13h30 ás 17h30
Todos os direitos reservados.